Tirinha do Garfield – Halloween

Tirinha do Garfield - Halloween

Tirinha do Garfield - Halloween

Anúncios

Larry – O Gato da Downing Street

Larry é um gato malhado branco que foi escolhido pelo primeiro ministro inglês para caçar os ratos da 10 Downing Street.

Acredita-se que ele tenha entre 3 e 5 aninhos e foi pego da  Battersea Dogs and Cats Home (Casa dos cães e gatos de Battersea). Logo ele se tornou o bichinho de estimação dos filhos de David e Samantha Cameron e também ganhou a fama de “good ratter” (bom caçador de ratos).

No dia 10 de junho o primeiro ministro Cameron afirmou que Larry teve sucesso em sua primeira caçada, sendo que alguns dias antes, o bichano parava atrás do Premier Britânico posando para fotos.

Larry também é retratado em tirinhas semanais do Sunday Express desenhadas pelo cartunista Ted Harrison.

Fonte: Wikipedia, Globo e Cartoonstock

O gato de Cheshire

“Gatinho Cheshire, que caminho devo seguir? – perguntou Alice.
“Depende onde você quer chegar, respondeu o gato.

Oi gente. Começa com este post a seção Ronronos famosos. Escolhi começar com o Gato de Cheshire pois ele ilustra muito bem o que é um gato. Faceiro, misterioso, sábio, companheiro e se me permitem viajar um pouco, conselheiro. Sim, porque não? Quem tem gato sabe o que eu estou falando. Em casa, é só eu ficar um pouquinho pra baixo que as minhas gatas me mostram o caminho que devo seguir pedindo um bom colo. Sem contar que o ronrono deles parecem uma oração. Segundo o que diz a matéria do site Scarium:

O Gato de Carroll mostra-se à menina como um companheiro nos momentos em que ela precisa de uma resposta sobre o que fazer. É um dos poucos personagens com quem ela consegue manter um diálogo mais brando e também o único que a explica o porquê de determinadas coisas. É ele, por exemplo, quem diz a Alice que todos, naquela terra, são loucos e que o motivo de ela estar lá seria porque, provavelmente, teria sua própria dose de loucura. Ele é, pois, a criatura sábia que conduz e aconselha Alice em sua aventura, uma espécie de Grilo Falante, uma consciência figurativa. E é, ainda, o pensamento científico da narrativa porque comprova o que fala, embora mantenha sempre sempre uma linha tênue entre a genialidade e a loucura. Teria sido o objetivo de Carroll criticar a ciência?

De acordo com a História oficial, a expressão “sorrir como um Gato de Cheshire” nasceu muito antes de ser imortalizada pelo escritor. Segundo Martin Gardner, em seu “The Annotated Alice”, existem duas hipóteses para o surgimento desta frase. A primeira defende a idéia de que sua origem se deu através do costume de um pintor de escudos e brasões de retratar, no interior de antigas hospedarias e albergues, leões sorrindo; este pintor seria muito famoso na região de Cheshire – lugar, inclusive, onde o próprio Carroll nasceu–. A segunda hipótese leva em conta um outra origem completamente diversa. Defendida também pelo “Brewer’s Dictionary of Phrase and Fable”, ela nos diz que Cheshire era uma região provavelmente dominada pelo clero, que vivia sob jurisdição quase Real de uma espécie de paladino ou clérigo; em certa ocasião, para divertir-se este governante teve a idéia de mandar que moldassem um queijo na forma de um gato sorrindo. Este era o famoso queijo de Cheshire e, a partir desta data, “sorrir como um Gato de Cheshire”tornou-se uma frase bastante comum na Inglaterra e passou a caracterizar a imagem de um largo sorriso de uma ponta à outra da cabeça. Gardner, a esta altura, cita o Dr. Phyllis Greenace, em um de seus estudos psico-analíticos sobre a origem das metáforas do criador de Alice. Referindo-se ao queijo de Cheshire, o Dr. Greenace diz:“Esta (hipóstese) tem um peculiar apelo Carrolliano, pois provoca a fantasia de que o gato de queijo pode comer o rato que iria come-lo.”.

A partir daí, podemos identificar o jogo de palavras e idéias de que se utiliza Lewis Carroll em sua obra. Em um determinado momento, nota-se o diálogo entre Alice e a Duquesa:

“Por favor, poderia me dizer (…) por que é que seu gato sorri desse jeito?”

“Ora, é um gato de Cheshire, (…) e é por isso.”

“Não sabia que todos os gatos de Cheshire sempre sorriam, na verdade, eu não sabia sequer que um gato pode sorrir.”

“Todos eles podem, (…) e a maioria deles o faz.”

http://www.scarium.com.br/noficcao/victor1.html

* Pessoal, uma bela curiosidade sobre o Gato de Cheshire é que ele Jonh Tenniel é considerado representativo da raça British Shorthair, devido à forma da boca, considerada como um sorriso. Agora dá uma olhada nessas fotos e vê se o danadinho não está sorrindo mesmo.

Gente, não dá vontade de morder?

Gente, não dá vontade de morder?

Uma das mais antigas raças inglesas, o British é descendente de gatos domésticos que desembarcaram em solo britânico há 2 mil anos, junto com as tropas do exército romano. Rapidamente se adaptaram à terra e ao clima, habitando as ruas e ajudando a eliminar roedores nas cidades e campos por muitos séculos.

Posteriormente, os ingleses aprimoraram a raça através de um trabalho seletivo, sendo que os exemplares originais eram azuis (cinza escuro). Sabe-se que sua primeira apresentação em uma exposição foi em 13 de março de 1871, no Cristal Palace de Londres, onde teve um espaço de destaque como gato tipicamente inglês. Atualmente há uma gama variada de cores reconhecidas.

Curiosidades:

  • Também é chamado de Gato Risonho, Gato Listrado ou Gato Querri.
  • Carroll obteve seu nome na expressão idiomática da língua inglesa “sorrir como um gato de Cheshire”.